O que você precisa saber antes de se aventurar no ECOTURISMO

 Na busca de aventura, de contato com a natureza, ou de escapar da agitada vida urbana, um número crescente de pessoas começa a praticar atividades como caminhadas, escaladas, incursões a cavernas, mountain bike, etc..
Porém, levam para as já escassas áreas selvagens os péssimos hábitos impostos por nossa sociedade, e a total ignorância sobre como conviver com a natureza, criando problemas ambientais às vezes de difícil solução  e acidentes ocasionalmente trágicos. Tais problemas podem ser contornados seguindo e ensinando algumas regras simples, que protegerão o meio ambiente, darão maior prazer e evitarão acidentes

INFORMAÇÕES: Obtenha informações completas sobre a região, desde as condições climáticas até a distância do hospital mais próximo. Aprenda a trabalhar com mapas e bússola. Tenha sempre mapas adequados para o tipo de excursão. Calcule o número de dias que passará excursionando. Prepare o cardápio com atenção, sabendo o número de pessoas e de refeições, clima da região e preferências pessoais, leve sempre uma ou duas refeições a mais, para qualquer imprevisto. Aprenda como prestar os primeiros socorros e tenha sempre consigo um estojo com os medicamentos necessários. O sucesso de uma excursão e a segurança dos participantes pode depender inteiramente de um planejamento adequado.

O EQUIPAMENTO ADEQUADO: Para qualquer atividade que envolva caminhada, é fundamental ter uma boa mochila, com uma barrigueira que permita distribuir o peso também nos quadris e não apenas nos ombros. Cuidado com as mochilas compradas em magazines e lojas de caça e pesca, elas podem não ser as mais adequadas para caminhadas de mais de um dia: na dúvida, procure orientação. O saco de dormir deve ser leve e adequado ao clima. Caso sinta necessidade de uma barraca, escolha uma que seja pequena e leve, porém resistente e impermeável. Para cada tipo de atividade, certifique-se que dispõe do equipamento mais apropriado. As improvisações ou o uso inadequado podem causar acidentes graves, principalmente em escaladas e em cavernas.

ORGANIZE CORRETAMENTE O GRUPO: Grupos muito grandes, além de comprometer a segurança e o meio ambiente, incomodam os outros excursionistas. Não realize atividades complexas e perigosas com pessoas inexperientes e sem condições físicas adequadas. Conheça os problemas de saúde de cada membro do grupo, e certifique-se de que estão levando os medicamentos específicos, e saiba administrá-los.

HARMONIA COM A NATUREZA: A natureza não é a inimiga a ser vencida, ela possui mecanismos que são indiferentes à sua presença, e que permitem seu harmonioso funcionamento. Adapte-se ao ambiente da maneira menos agressiva possível, aprendendo a respeitar suas regras. O conhecimento é o melhor instrumento para aproveitarmos os recursos naturais sem destruí-los. Tome consciência que nós não somos onipotentes; conheça suas limitações e não banque o herói; conheça bem as características naturais da região. Respeite plantas, animais, e as forças naturais – frio, chuvas, ondas e rios com corredeiras, por exemplo podem ser fácil e tragicamente subestimados.

EVITE FAZER BARULHO: Não ande gritando, cantando ou tocando instrumento porque, além de espantar os animais e os outros excursionistas, o cansaço virá mais cedo. Quando acampado, procure não molestar os vizinhos; não leve rádios, toca-fitas ou similares. Os outros não são obrigados a compartilhar seus gostos musicais (caso ache indispensável leve aparelhos com fones de ouvido). Preste mais atenção aos pássaros e aos ruídos da mata, você descobrirá coisas incríveis.

FAÇA COMO OS GATOS: Escolha locais para banheiro, no mínimo, a 30 metros de distância das fontes e cursos d’água, trilhas ou qualquer outro lugar de uso comum. Enterre os dejetos e papel com uma camada de terra de, pelo menos, cinco centímetros; na impossibilidade, cubra com pedras ou qualquer material disponível. Não deixe nada aparente, evite a proliferação de insetos e doenças.

CUIDE DO SEU LIXO: Mude seus hábitos, não jogue lixo por aí! Toda embalagem que você trouxe cheia é mais leve vazia, portanto traga de volta todo o lixo que produzir; não transforme a trilha em um “lixão”. Mesmo papéis de bala devem ser guardados. Não jogue garrafas ou latas nos rios, lagos ou mar; além de estar poluindo as águas, você estará pondo em risco a saúde das pessoas que nadam nesses locais.

NÃO CORTE A VEGETAÇÃO SEM NECESSIDADE: Controle seus instintos de destruidor, lembre-se que as plantas também são seres vivos. Mesmo abrindo trilhas, corte somente o necessário para passar; contorne as árvores e plantas maiores. Não marque as trilhas cortando as cascas das árvores; apenas amarre fitas coloridas nos galhos; não corte madeira verde, portanto viva, para fogueiras. Não retire plantas para que elas enfeitem sua sala, elas ficam melhor na mata, onde estão. Cada retirada ou corte pode estar contribuindo para a degradação do ambiente.

RESPEITE OS ANIMAIS: Não cace. Só pesque o necessário para comer, e apenas em áreas permitidas. Não mexa em ninhos de qualquer espécie, mesmo cobras e aranhas têm seu papel na natureza, mantenha-se afastado e não as mate. Não persiga e não pegue filhotes, de qualquer espécie, pois além de correr o risco de um ataque da mãe, o filhote pode ser rejeitado por estar com o seu cheiro. Ao contrário da crença geral, os animais só atacam quando são ameaçados ou quando estão com fome, portanto esqueça-se dos filmes de “Tarzan”. Todos os animais têm por hábito evitar os seres humanos.

EVITE FAZER FOGUEIRAS: As fogueiras causam a morte do solo onde são feitas e afugentam os animais. Para cozinhar, já existem fogareiros leves e eficientes, sendo mais cômodos e limpos. Caso seja imprescindível fazer uma fogueira, limpe o terreno em volta e faça-a pequena, usando somente a lenha necessária, tome o máximo de cuidado em regiões secas. Se já houver marcas de fogueira no local, faça a sua no mesmo lugar, evitando novas cicatrizes no terreno. Use somente madeira morta e seca. Quando for embora ou for dormir, apague completamente a fogueira com água, inclusive as brasas, para evitar incêndios. Se possível, enterre as cinzas.

CUIDADO COM AS ÁGUAS: Todo o lixo ou resíduos deve ficar, no mínimo, a 30 metros da fonte de água potável. Evite usar sabões e detergentes; quando o fizer, certifique-se de que são biodegradáveis, use pouco, e retire o excesso de sabão depositando-o no solo, assim como água de enxágüe. A água de beber deve ser colhida sempre rio acima do local usado para lavar a roupa e a louça. Para lavar pratos e panelas, use areia de fundo de rio – é eficiente e não polui. Não jogue restos de alimentos na água. Limpe a louça antes de lavá-la. Evite tomar água turva, com odor ou gosto.Quando em dúvida sobre a procedência da água, use cloro ou outro bactericida.

CAUSE O MENOR IMPACTO POSSÍVEL: Cores fortes causam um grande impacto visual, afugentam os animais e outros excursionistas. Dê preferência para as cores neutras ou suaves. Não há necessidade de usar roupas e equipamentos camuflados. As barracas também devem ser preferencialmente de cores neutras. Porém, sempre tenha uma peça de roupa ou plástico de chão de cor brilhante, caso de necessite algum tipo de sinalização. Evite causar movimentos de terra nas trilhas; use calçados leves e coloque pedras nos charcos e lamaçais. Não abra trilhas paralelas quando a trilha principal não oferecer boas condições, pois logo as variantes estarão igualmente ruins. Nas cavernas não retire absolutamente nada, nem mesmo as rochas soltas, e não toque nos espeleotemas – estalactites, estalagmites, etc. – para não alterar sua formação e não sujá-los. Não escreva nas rochas e nas árvores sob nenhuma circunstância.

RESPEITO E CIVILIDADE: Sempre que tiver contato com a população local, trate-os com respeito. Respeite também seus hábitos e crenças; lembre-se que você é o estranho. Nunca pense que o fato da cultura deles ser diferente faz de você, superior. Procure conversar de igual para igual e aprender algo com eles. Não imponha seus hábitos.Obtenha permissão para passar por sítios e fazendas. Esteja a par da legislação para os Parques Nacionais e Estaduais e outras áreas protegidas pelo Estado. Caso perceba irregularidades – como desmatamento, mineração, etc. – em áreas protegidas, comunique aos órgãos ambientais responsáveis. Não surtindo efeito, recorra à imprensa e entidades ecológicas. Sempre que puder, oriente outras pessoas sobre preservação e conservação, mas não seja inconveniente.

BOM SENSO: Muitos acidentes – alguns fatais – em trilhas, rios, praias, etc., ocorrem pela ignorância, falta de planejamento, exposição a riscos desnecessários e, freqüentemente, por simples pânico. Caso pretenda realizar uma excursão e não conte com os conhecimentos necessários, procure os clubes, empresas de ecoturismo idôneas, e até mesmo lojas especializadas voltadas para essas atividades, onde poderá obter orientação quanto a roteiros e equipamentos, ou até mesmo organizando-as conjuntamente.
As técnicas militares nem sempre são adequadas, pois contam com recursos e objetivos diferentes. Sempre que se encontrar em uma situação inesperada é melhor parar, refletir e encontrar as melhores alternativas para resolver o problema. Não se descontrole e acalme seus companheiros; muitas vezes as situações de perigo são contornáveis com soluções simples, porém bem planejadas.

FONTE:OUTDOOR MAGAZINE

Esse post foi publicado em Terapias Alternativas, TODOS OS TEXTOS. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s